acompanhe:
Perfil no facebook
Perfil no twitter
Varal no Instagram
Varal no Youtube
Entre em contato com a gente
Nosso feed RSS
Para o topo

página inicial » cultura »

Quando Monteiro Lobato quis morar em Ribeirão

publicado em: 18/06/2014 - 12:16
atualizado em: 11/08/2014 - 15:50

Quando Monteiro Lobato quis morar em Ribeirão

Por Francine Micheli
Foto: Arquivo Pessoal/André Barreto

O causo é pouco conhecido, mas o mestre da literatura infantil brasileira, que nasceu em Taubaté em 1882, já quis morar em Ribeirão Preto e andou falando abertamente sobre esse desejo no início do século passado.

Aos 25 anos, o jovem José Bento Renato Monteiro Lobato ainda não tinha escrito nenhuma obra que haveria de consagrar sua carreira. Em 1907, ele era ainda um caricaturista recém-formado em direito. Neste ano, ele foi nomeado promotor público da cidade de Areias e foi pelo trabalho que precisou viajar pelas cidadezinhas do interior de São Paulo.

Monteiro Lobato se correspondeu por cartas durante 40 anos com o amigo e também escritor Godofredo Rangel. Algumas dessas correspondências já foram publicadas em livros e jornais, porém, a maior parte delas ainda é inédita e deve ser publicada em breve. Quando voltou de sua viagem a Ribeirão Preto, enviou uma carta ao amigo e nela descreve o que exatamente lhe encantou na cidade. Entre as boas surpresas, estavam o desenvolvimento por conta dos milhões de pés de café e as encantadoras prostitutas francesas.

Leia na íntegra.

Rangel:

Estou seriamente endividado para contigo, em cartas, livros, cumprimento de promessas, pedaços do Queijo... Mas explica-se a má finança. O mês de dezembro passei-o todo fora daqui, em São Paulo e no Oeste. Corri as linhas da Paulista, Mogiana e Sorocabana, com paradas nas inconcebíveis cidades que da noite para o dia o Café criou — São Carlos, um lugarejo de ontem, hoje com 40 mil almas; Ribeirão Preto, com 60 mil, Araraquara, Piracicaba a formosa e outras. Vim de lá maravilhado e semeado de coragens novas, pois em toda a região de Terra Roxa — um puro óxido de ferro — recebi nas ventas um bafo de seiva, com pronunciado sabor de riqueza latente.

Em Ribeirão Preto, a colheita do município foi o ano passado de 4 e meio milhões de arrobas — coisa fabulosa e nunca vista. Um fazendeiro, o Schmidt, colheu, só ele, 900.000 arrobas. Costumes, hábitos, ideias, tudo lá é diferente destas nossas cidades do velho S. Paulo e da tua Minas. Em Ribeirão Preto dizem que há 800 ‘mulheres da vida’, todas estrangeiras e caras. Ninguém ama ali a nacional. O Moulin Rouge funciona há 12 anos e importa champanha e francesas diretamente.

... tenho que estacionar lá também, Rangel. Estou apertando minhas cunhas para ser nomeado para Ribeirão ou coisa equivalente.

Taubaté, 18.01.1907

Fonte: MELLO, Rafael Cardoso de. As flores do Café: por uma história das mulheres de Ribeirão Preto.

A Belle Èpoque ribeirão-pretana, assim como Monteiro Lobato, seduziu milhares de outros figurões e as noitadas da cidade eram cada vez mais conhecidas pelo requinte e animação. Foi nessa época que Ribeirão ficou conhecida como "petit Paris", não só pela arquitetura e pela grande quantidade de franceses que viviam aqui, mas pela noite semelhante à da Cidade Luz.

Cabarés, shows sofisticados, festas da alta sociedade e prostitutas de luxo faziam a alegria dos ricaços do interior. E um dos responsáveis pela vida baladeira por aqui no início do século XX, foi um francês chamado Françoise Cassoulet, espécie de primeiro promoter da cidade, cuja curiosa história o Varal Diverso conta aqui.

PRÓXIMO POST »
François Cassoulet: o primeiro promoter da noite ribeirão-pretana
« POST ANTERIOR
Theatro Pedro II vai ganhar novo café

Você poderá gostar também!

 

François Cassoulet: o primeiro promoter da noite ribeirão-pretana

18.06.2014 - 13:51

Empresário francês realizava as maiores festas e espetáculos da Ribeirão no início do século XX, dando início à fama de cidade baladeira que existe até hoje

Entenda a crise enfrentada pela Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto

02.09.2014 - 14:58

“Músicos estão trabalhando como diaristas e motoboys”, afirma integrante da Orquestra, que está com salários atrasados há dois meses sem grandes perspectivas. Direção tenta se livrar de dívida deixada por antiga gestão

A Coisa fecha as portas, mas atividades continuam

04.05.2014 - 17:34

Por enquanto, o projeto cultural deve ocupar espaços parceiros, mas um outro local já está sendo sondado para ser a nova sede

 

 

Comente aqui:
Saia de Casa

 

 

 

Varal Diverso © 2011–2017 - Todos os direitos reservados. » Termos de uso