Para o topo

François Cassoulet: o primeiro promoter da noite ribeirão-pretana

François Cassoulet: o primeiro promoter da noite ribeirão-pretana
, em 18/06/2014, às 13:51 (atualizado em 19/06/2014, às 15:03)
Bandas de jazz eram frequentes nas festas de Cassoulet (Foto: Arquivo Público Histórico de Ribeirão Preto)

Por Francine Micheli

O começo do século XX foi marcado pela adaptação social a novos tempos. Enquanto o recém-derrubado império brasileiro ainda deixava seu cheiro escravocrata nas ruas de Ribeirão Preto, a sociedade mergulhava em uma nova realidade econômica e cultural. Os endinheirados precisavam se diferenciar do resto da população economicamente submissa através de seus interesses particulares. Foi nesse momento que começaram a surgir importantes grupos de música, teatro, artes e também grandes festas para quem podia pagar.

A riqueza dos coronéis do café patrocinou uma explosão cultural na cidade, inspirada pela chegada de muitos franceses. Em Ribeirão, imitava-se tudo em Paris: a arquitetura, os hábitos sociais, a moda e a diversão. Um desses franceses, François Cassoulet, chegou a Ribeirão por volta dos 30 anos e aqui viveu entre 1894 e 1917.

O rei da balada

Começaram a pipocar clubes e teatros como o Cassino Antarctica, o Teatro Carlos Gomes e o Teatro Eldorado, primeiro café cantante do Brasil, inaugurado por Cassoulet. Dessa época, ainda temos a Sociedade Recreativa de Esportes, a Sociedade Dante Alighieri e a União Geral dos Trabalhadores (UGT).


Em 1954, a Cantina 605 passou a ocupar o antigo prédio do Cassino Antarctica, que sediou grandes espetáculos
sob administração de François Cassoulet entre 1914 e 1919 (Foto: Tony Miyasaka, 1960)

Cassoulet trazia a Ribeirão artistas de renome e prostitutas francesas. Uma carta de Monteiro Lobato relata que, em 1907, diziam haver cerca de 800 "mulheres da vida" aqui, todas vindas da França. O promotor de eventos oferecia também mesas de jogos e organizava os carnavais nas ruas e nos clubes de Ribeirão.

Sua popularidade era tanta que quase o Theatro Pedro II foi batizado com o nome de François Cassoulet. É que quando o teatro foi construído em 1930, o Jornal A Cidade fez um concurso de votos para que os leitores escolhessem como ele deveria se chamar. Nos primeiros lugares do ranking, estavam os nomes dos últimos imperadores e o de Cassoulet.

Na literatura sobre a história do entretenimento local, escritores dividem opiniões sobre o rei do camarote da época. Enquanto Rubem Cione o coloca como grande e glamouroso empreendedor, Júlio Chiavenato o pinta como “gigolô, cafetão, fornecedor de carne para o tosco paladar sexual dos latifundiários do café”. De qualquer maneira, a história de Cassoulet se confunde intimamente com o passado da cidade.


Teatro Carlos Gomes, que funcionou entre 1897 e 1944 e foi construído com o patrocínio dos Barões do Café. Sua demolição até hoje não foi esclarecida. Ele ficava onde hoje é a praça Carlos Gomes, no Centro da cidade. (Foto: Arquivo Público Histórico de Ribeirão Preto)

Decadence avec Elegance

Com a Primeira Guerra Mundial, entre 1914 e 1918, as exportações de café foram quase anuladas, empobrecendo os barões da cidade, que pararam de financiar a vida noturna da época. Francisco (como ficou conhecido) Cassoulet assistiu de camarote a falência de cada um dos teatros, clubes, associações e espetáculos a que tanto se dedicou. Ficou doente e passou a ser visto vagando pela cidade, descabelado, sujo e aparentemente desequilibrado psicologicamente.

Internado na Beneficência Portuguesa com a conta paga pelos poucos amigos que restavam, Francisco Cassoulet morreu em 1919, pobre, abandonado e muito longe do glamour em que viveu por 30 anos em Ribeirão Preto. 

Bibliografia

  • PRATES, Prisco da Cruz. Ribeirão Preto de Outrora, 1971.
  • CIONE, Rubem. História de Ribeirão Preto, 1989.
  • MELLO, Rafael Cardoso de. As flores do Café: por uma história das mulheres de Ribeirão Preto, 2011.

Compartilhe:

PRÓXIMO POST »
Linha do tempo relembra cultura em Ribeirão Preto
« POST ANTERIOR
Quando Monteiro Lobato quis morar em Ribeirão

Você poderá gostar também!

 

História de Ribeirão vai virar série milionária de televisão

08.08.2014 - 17:38

Diretor André Ristum vai dirigir “Eldorado”, uma superprodução de R$ 3 milhões com filmagens previstas para 2016

Ribeirão pode ter “Viradas Culturais” independentes

05.05.2014 - 17:20

“Se Vira Ribeirão” e “Virada Municipal” deverão acontecer paralelamente à “Virada Cultural Paulista”, em maio, mas ainda há troca de farpas entre as duas organizações.

Ribeirão ganhará novo museu dedicado à memória italiana

24.09.2014 - 19:42

Ribeirão Preto ganhará, nos próximos meses, a Casa da Memória Italiana, um casarão de 1941 que fica no Centro e será doado pela família Biagi. O espaço conta com mobiliário tradicional da família de imigrantes italianos

 

VOLTAR

 

Comente aqui:

Varal Diverso © 2011–2017. Todos os direitos reservados | Termos de uso | Design: Paulo Gallo