Para o topo

Sesc promove mostra de cinema suíço

Sesc promove mostra de cinema suíço
, em 12/07/2016, às 17:50 (atualizado em 13/07/2016, às 17:34)

Por Analídia Ferri
Fotos: Divulgação

De 12 a 31 de julho, o Sesc Ribeirão Preto exibe obras selecionadas para o 6º Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo. A programação traz títulos da 51ª edição do festival “Journées de Soleure” e do 17º “Festival Filmar en América Latina – FILMAR/Genebra”, entre eles o mais recente longa de ficção do cineasta brasileiro Cristiano Burlan, “Em Busca de Borges”.

O cinema suíço tem como características marcantes o “olhar para fora”, isso se deve ao fato de que muitos filmes são coproduções e também ao alto número de cineastas estrangeiros radicados no país. O filme de abertura, “Do Outro Lado do Mar”, remete a essa tendência.

Outro destaque dessa edição são as coproduções de documentários com a América Latina, na faixa especial “Sessão FILMAR”, com os filmes “Muchachas” (Suíça – México) e “Histórias Maternais” (Suíça – Brasil).

Os ingressos custam de R$ 6 a R$ 12, sendo gratuito para usuários com a Credencial Plena (veja no final da matéria). Confira a programação completa.

12 de julho (terça), às 20h: "Do outro lado do mar"
Direção: Pierre Maillard (ficção, 110 min). Classificação: 16 anos

Para fugir dos fantasmas do passado, um ex-fotógrafo de guerra que mora na Itália, em meio a oliveiras, tira apenas fotos de árvores. Um dia, decide atravessar o mar de barca e chega à Albânia, no lugar onde fez sua última imagem de guerra. Lá, encontra uma árvore, e quando está prestes a fotografá-la descobre uma moça escondida. O amor da garota foi morto pelos irmãos - a história comove o fotógrafo, que decide acompanhá-la na fuga do trauma.

17 de julho (domingo), às 16h: "Em busca de Borges"
Direção: Cristiano Burlan (ficção, 85 min). Classificação: 12 anos

Os escritos do autor argentino Jorge Luis Borges mergulham Henrique em um périplo entre as cidades de São Paulo, Buenos Aires e Genebra. As obras o conduzem à fronteira entre a realidade e a evocação, entre a coisa e a palavra, entre o ser e o símbolo, entre a vida e a morte.

19 de julho (terça), às 20h: "A Andorinha"
Direção: Mano Khalil (ficção, 102 min). Classificação: 14 anos

Mira, uma jovem suíça em busca de suas raízes, viaja para o Curdistão iraquiano, onde encontra terrorismo, crimes de guerra e justiça popular — mas também amor. A Andorinha descreve duas tragédias de vida: quando os desejos não se realizam e quando se realizam de fato. Uma jornada pelas paisagens estonteantes do Curdistão e pela realidade política conflituosa da região. O filme traz uma nova perspectiva quanto ao assunto.

24 de julho (domingo), às 14h: Sessão de Curtas
Classificação: 14 anos

24 de julho (domingo), às 16h: "O milagre de Tekir"
Direção: Ruxandra Zenide (ficção, 88 min). Classificação: 12 anos

A solteira Mara misteriosamente ficou grávida, o que representa um problema para seus companheiros, moradores da pequena vila de pescadores no delta do Danúbio. Expulsa de sua aldeia, Mara encontra emprego no Hotel Spa Tekir, onde as mulheres inférteis são tratadas com a lama sagrada do Danúbio.

26 de julho (terça), às 20h: "Mulheres selvagens"
Direção: Anka Schmid (documentário, 96 min). Classificação: 14 anos

Namayca, Carmen, Nadezhda, Aliya e Anosa, domadoras de animais de diferentes países, brilham sob os holofotes enquanto lutam por suas vidas nos bastidores. Trabalhadoras e sorridentes, as artistas de circo revelam sua paixão pelos animais selvagens e pela profissão extraordinária: uma rotina cheia de dedicação e disciplina em meio a um perigo mortal. No documentário, Anka Schmid acompanha o cotidiano das mulheres de perto, pintando um retrato honesto das domadoras.

Sessão Filmar
31 de julho (domingo), às 16h

"Muchachas"
Direção: Juliana Fanjul (documentário, 64 min). Classificação: 14 anos

A morte de minha avó me traz de volta à Cidade do México, onde está o apartamento que tenho de desmontar e onde nunca tinha sentido como é injusta a relação que temos com as empregadas domésticas. Até que ponto eu também fui responsável pela invisibilidade dessas mulheres, que estiveram sempre ao meu redor?

"Histórias maternais"
Direção: Anouk Dominguez-Degen (documentário, 28 min). Classificação: 14 anos

O filme é uma viagem introspectiva que toma como ponto de partida o acervo de filmes domésticos da família da cineasta. Anouk lida com temas como a intimidade, as palavras e o silêncio, usando-se desses aspectos para investigar os vários lados do chamado “instinto’”.

SERVIÇO

6º Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo
12 a 31 de julho

Onde? Galpão (100 lugares). Sesc Ribeirão Preto (rua Tibiriçá, 50 – Centro)
Ingressos: Gratuito (credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes), R$ 6 (estudante, servidor da escola pública, idoso [+60], aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 12 (inteira)
Informações: (16) 3977-4477

Compartilhe:

PRÓXIMO POST »
Cineclube Cauim exibe o documentário sobre Janis Joplin
« POST ANTERIOR
Divórcio 190: Longa promete colocar Ribeirão no mapa das produções nacionais

Você poderá gostar também!

 

Sesc promove Mostra Viagens Sombrias com filmes de suspense

04.01.2016 - 10:41

Longas como “O massacre da serra elétrica”, “A bruxa de Blair” e “ O albergue”, entre outros, serão exibidos gratuitamente.

Festival Varilux de Cinema Francês exibe raridades em Ribeirão

06.06.2016 - 17:34

Sessões acontecem de 9 a 22 de junho; Chocolate está entre os destaques

Marina Person participa de bate-papo sobre cinema no Sesc

16.03.2016 - 08:00

Encontro com a apresentadora e cineasta acontece neste domingo (20/3) e é gratuito.

 

VOLTAR

 

Comente aqui:
Instagram
Instagram

Varal Diverso © 2011–2017. Todos os direitos reservados | Termos de uso | Design: Paulo Gallo