Para o topo

Ribeirão-pretanos estarão em mundial de break nos EUA

Ribeirão-pretanos estarão em mundial de break nos EUA
, em 06/05/2014, às 23:08 (atualizado em 27/08/2014, às 13:28)
Mixa, HP, Onnurb e Luan, parte do Funk Fockers (Foto: Divulgação)

A crew ribeirão-pretana Funk Fockers venceu, no último final de semana, o maior campeonato de break da América Latina: a edição brasileira do Freestyle Sessions, que aconteceu na Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo. A conquista rendeu ao grupo um lugar para representar o Brasil na final mundial, que acontece em novembro, em San Diego, Califórnia.

Criado em 2009, o grupo de dança tem 11 integrantes e já coleciona títulos louváveis, como o segundo lugar no campeonato mundial do ano passado, que aconteceu na Dinamarca, e o troféu de melhor show, conquistado no World Street Dance, na França, no início deste ano.

Sem nenhum patrocínio, o grupo conta com a sorte e com a confiança em seu trabalho para participar das competições. “Viajamos com nossa própria grana, só com a ida garantida. Quando ganhamos a prova, ganhamos também a nossa volta”, conta o integrante Allan Barbosa Lopes, o Mixa, de 29 anos. “Assim é bem mais divertido”, ri.

A competição de freestyle geralmente não tem coreografia. No último campeonato, por exemplo, o Funk Fockers venceram diversas batalhas de dança no improviso, enquanto o dj soltava um som. Cada batalha chegava a durar 5 minutos.


Foto: Divulgação

Polêmica

Em 2011, o Funk Fockers protagonizou um episódio pra lá de intrigante no programa “Se ela dança, eu danço”, do SBT. Depois de passarem por várias seletivas, os dançarinos se recusaram a se apresentar e ainda mandaram uma mensagem pra quem quisesse ouvir.

“Chegamos achando que era uma coisa e, na verdade, aquilo era uma mentira. Os jurados desvalorizavam as pessoas, escolheram músicas sem nenhum conteúdo, que não representavam a cultura hip-hop. Eles usam o hip-hop só para o marketing deles”, conta Mixa. O grupo abandonou a prova, enquanto muitos achavam que eles estavam loucos.

No entanto, a reação do grupo causou um impacto positivo na comunidade. “O pessoal do hip-hop de verdade se sentiu representado”, disse.

No Quintino II

O grupo Funk Fockers ensaia três vezes por semana, com sessões de até 3 horas de dedicação, no Centro Cultural do Quintino Facci II. Segundo Allan, foi o único local a dar apoio para o grupo. Como retribuição, os dançarinos oferecem aulas de break, grafitagem e discotecagem para as crianças da comunidade, além de workshops com dançarinos brasileiros e internacionais.

Texto: Francine Micheli
Edição: Paulo Gallo

Compartilhe:

PRÓXIMO POST »
Prazer, meu nome é Tetê
« POST ANTERIOR
A garota das corujas

Você poderá gostar também!

 

Os desenhos da menina com mil nomes

05.11.2014 - 11:33

Rafaella Rímoli também é Ram Rapose, Vicente, Zvaga. Com heteronônimos, vai criando uma realidade curiosa através de suas ilustrações e pulverizando toneladas de inspiração por onde passa.

“Pintar é uma necessidade”

11.09.2014 - 20:30

Ana Augusta Silveira — ou Gucha, como os amigos a chamam — pinta desde bebê mas nunca levou sua arte pra fora de casa. Abstrata e subjetiva, ela conta que a indisciplina foi o que a fez respeitar o próprio talento

Prazer, meu nome é Tetê

13.06.2014 - 17:56

Aos 82 anos, ela aprendeu a ler, a escrever e a se expressar através da arte. Um ano depois, Tetê já grafitou muros e abre sua primeira exposição

 

VOLTAR

 

Comente aqui:
Agenda Cultural
Instagram
Instagram

Varal Diverso © 2011–2018. Todos os direitos reservados | Termos de uso | Design: Paulo Gallo